título

Cátia Lush Sequeira, a primeira cabo-verdiana no MBA Atlântico

A jovem cabo-verdiana participou este ano no Master Business Administration (MBA) Atlântico em três países. De regresso ao arquipélago, conta ao SAPO Estudante como foi a experiência.

O Master Business Administration (MBA) Atlântico seguiu este ano na sua 7ª edição e, pela primeira vez, contou com uma participante de Cabo Verde, Cátia Lush Sequeira.

 

O MBA Atlântico é uma iniciativa promovida pela Universidade Católica que envolve três países: Portugal, Angola (Universidade Católica de Angola) e Brasil (Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro). Tem como objetivo “formar gestores e quadros vocacionados para a internacionalização através do espaço da língua portuguesa”.

 

A edição deste ano contou com um grupo formado por 21 alunos que teve acesso a um "programa de formação avançado que inclui conteúdos diversos no domínio da gestão (Finanças, Gestão de Operações e Qualidade, Marketing, Liderança, Direito, Controle de Gestão e Desempenho Empresarial, Estratégia, Mercados e Concorrência, Negociação e Comunicação, Análise e Planeamento Financeiros, Cultura e Poder nas Organizações, entre outros), acompanhamento através de sessões de coaching, além da participação em eventos, seminários e visitas de empresas pertencentes ao tecido empresarial de cada um dos países integrantes.

 

Cátia Lush Sequeira foi galardoada com uma bolsa de mérito atribuída pela Caixa Económica de Cabo Verde, parceira empresarial do programa, o que possibilitou a sua participação no programa após ter sido selecionada.

 

"Há muito que queria aumentar e ampliar as minhas competências na área de gestão, apesar de ter o mestrado em Gestão Estratégica de Relações Públicas. No exercício das minhas funções além da necessidade de articulação com as áreas financeiras, o planeamento de ações de comunicação implica trabalhar com orçamentos, previsão financeira e avaliação de resultados", explica a jovem.

 

Da experiência salienta que traz além de "uma enorme 'bagagem' de conhecimento, de competências adquiridas nas mais diversas áreas de gestão e do plano curricular muito completo e avançado" também a experiência dos docentes e empresários que contribuiram grandemente para o seu enriquecimento profissional e permitiram estabelecer uma importante rede de networking.

 

No final do MBA Atlântico cada formando tinha de apresentar um projeto final. Cátia Lush Sequeira optou pelo tema "Turismo cultural para promoção da imagem de Cabo Verde" e justifica a escolha. "Para uma representante cabo-verdiana, que quer compreender as oportunidades de desenvolvimento existentes no próprio país e que trabalhou em vários setores fundamentais para o país, nomeadamente o da Cultura, a vocação de Cabo Verde para o negócio do turismo cultural, bem como a necessidade de promoção do país baseada no seu potencial criativo, constituem fatores importantes que motivaram a escolha desse tema".

 

Vertente multicultural, o ex libris do programa

 

O MBA Atlântico decorreu de janeiro a outubro deste ano e foram 3 trimestres nas realidades políticas, económicas e sociais de 3 cidades (Porto, Rio de Janeiro e Luanda), em 3 países e em 3 continentes.Para a participante de Cabo verde, "a vertente multicultural constitui o ex libris desse programa".

 

"Sendo a única representante de Cabo Verde, pude sentir a responsabilidade da participação pioneira do meu país e o privilégio de poder partilhar desta forma, a história do meu povo que resultou do intercâmbio cultural e que permitiu-me identificar tão naturalmente com cada um dos subgrupos irmãos, membros de uma mesma comunidade de língua portuguesa", sublinha.

 

O programa foi também feito de desafios que, segundo Cátia Lush Sequeira, a colocaram à prova e a tiraram da sua zona de conforto. "Com a convivência diária, de manhã à noite, o desafio maior deu-se a nível dos relacionamentos interpessoais e inúmeras vezes fomos confrontados com diferenças culturais, de personalidade ou mesmo linguísticas que se assemelham a um autêntico Big Brother".

 

Ainda assim salienta que os ganhos foram mais do que muitos assim como as amizadas e os momentos de partilha. "Senti o espírito e o estilo de vida de cada cidade, conheci histórias de vida e agora com a missão de ser a primeira “embaixadora” do MBA Atlântico, partilho essa experiência com os meus para que outros cabo-verdianos possam ter acesso a esse programa ímpar e quem sabe se num futuro próximo, Cabo Verde venha a ser um dos países onde o MBA Atlântico decorre".

 

Cátia Lush Sequeira tem 32, é licenciada em Comunicação e Relações Públicas pelo Instituto Politécnico da Guarda e possui mestrado em Gestão Estratégica de Relações Públicas.

 

@Cláudia Marques

07.12.2017

 

Partilhe: Facebook Twitter