título

Cerca de 60% das escolas do EBI têm acesso à água

Dados revelados pela FICASE.

O técnico da direcção alimentar e saúde escolar da FICASE Henrique Fernandes revelou hoje que 64% das escolas do Ensino Básico Integrado (EBI) têm acesso à água e 80% estão ligados a uma rede de saneamento.

 

O responsável assegurou ainda que o sector da água e saneamento são “prioridades e essenciais” para a implementação deste programa nacional, em declarações aos jornalistas, hoje, momentos antes de presidir ao ateliê de apresentação do Plano Nacional de Saúde Escolar horizonte 2022, que decorre na cidade da Praia nos dias 11 e 12 deste mês.

 

Adiantou que o encontro de dois dias reúne professores, coordenadores e directores das escolas, enfermeiros, médicos, profissionais da inclusão social, pais e encarregados de educação, técnicos do Ministério do Ambiente e sociedade civil e tem por objectivo definir as principais linhas de intervenções do programa.

 

Com base no projecto piloto Escolas Promotoras de Saúde implementado em 15 escolas do EBI nas ilhas de Santiago, São Vicente, Anto Antão e Fogo constataram que a água e o saneamento são dois requisitos essenciais para desenvolverem outras competências e o programa de saúde oral executadas nas escolas do país.

 

“Em termos de saneamento, 80 por cento (%) das escolas têm estruturas para o funcionamento adequado com vaso sanitário e lavatórios, enquanto que o acesso à água é mais limitado sendo que apenas 64% das escolas estão ligadas a uma rede de água”, afiançou o responsável, que disse que a ideia é fazer com que todas as escolas tenham acesso, mas também sensibilizá-las sobre como utilizá-lo.

 

Segundo o responsável, o plano vai permitir ainda o reforço das competências e habilidades dos alunos, acções de capacitações para professores e requer o envolvimento das famílias para que as acções possam ter efeitos.

 

“Por outro lado, estamos a trabalhar questões que têm a ver com comportamentos de riscos quer seja a nível do consumo de substâncias nocivas, álcool e outras drogas, mas sem desgarrar daquilo que o curriculum escolar prevê em termos de orientação dos alunos”, sublinhou.

 

No seu entender, a campanha para a prevenção do uso abusivo do álcool “Menos álcool, mais Vida”, implementada pela Presidência da República que tem tido resultados “positivos”, é uma medida essencial para reforçar as acções de combate a nível nacional.

 

O Plano Nacional de Saúde Escolar horizonte 2022 é financiado pela Cooperação Luxemburguesa.

 

SAPO/ Inforpress

Partilhe: Facebook Twitter