título

Covid-19: Escolas da ilha da Boa Vista fecham já hoje após primeiro caso

As escolas da Boa Vista vão fechar hoje, depois de confirmada naquela ilha o primeiro caso de covid-19 em Cabo Verde, antecipando localmente a decisão de iniciar mais cedo as férias da Páscoa, segundo decisão do Governo.

 

“Tendo em conta o Plano Nacional de Contingência e após resultado positivo do primeiro caso da covid-19 na ilha da Boa Vista, e sabendo que muitos pais/encarregados de educação dos nossos alunos trabalham nos hotéis, o Ministério da Educação informa que as férias escolares na ilha da Boa Visa terão início hoje”, lê-se num comunicado do Governo.

 

Acrescenta que todas as escolas e instituições do pré-escolar da ilha da Boa Vista, uma das mais turísticas de Cabo Verde, “serão encerradas hoje, devendo todos permanecer em casa”.

 

“A esta altura já temos elementos suficientes que permitem-nos prosseguir com a avaliação dos alunos”, acrescenta o comunicado.

 

O Plano Nacional de Contingência acionado pelo Governo prevê, como medida preventiva da pandemia de covid-19, a antecipação do início do período de férias da Páscoa para 23 de março em todo o arquipélago. No caso das escolas da ilha da Boa Vista, o início do período de férias é já hoje.

 

O primeiro-ministro cabo-verdiano, Ulisses Correia e Silva, anunciou esta manhã que a ilha da Boa Vista vai ficar de quarentena até 04 de abril, após o primeiro caso de coronavírus detetado num cidadão de nacionalidade inglesa.

 

O chefe do Governo cabo-verdiano fez o anúncio, na cidade da Praia, após reunião do Gabinete de Crise, que preside, indicando que serão ainda reforçadas as medidas e que não haverá embarque e desembarque de passageiros na ilha.

 

O primeiro caso de coronavírus foi confirmando em Cabo Verde na quinta-feira à noite e trata-se de um cidadão de nacionalidade inglesa, de 62 anos, que se encontra internado no Centro de Saúde da Boa Vista com um quadro clínico estável.

 

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da Covid-19, infetou mais de 250 mil pessoas em todo o mundo, das quais mais de 10.400 morreram.

 

Das pessoas infetadas, mais de 89.000 recuperaram da doença.

 

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se já por 182 países e territórios, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

 

O continente europeu é aquele onde está a surgir atualmente o maior número de casos, com a Itália a tornar-se hoje o país do mundo com maior número de vítimas mortais, com 3.405 mortos em 41.035 casos.

 

SAPO/Lusa
 
 
20/03/2020

Partilhe: Facebook Twitter