título

Governo vai reabilitar todas as escolas degradadas do país

A previsão da ministra da Educação é de que a reabilitação aconteça nos próximos quatro anos.

A ministra da Educação, Maritza Rosabal garantiu ontem, dia 3, que o Governo vai reabilitar nos próximos três ou quatro anos, todas as escolas do país que se encontram “degradadas”, principalmente as escolas básicas.

 

A governante deu esta garantia hoje, na Cidade da Praia, em declarações à imprensa após a assinatura de um contrato-programa entre o Governo e a Câmara Municipal do Sal no valor de 3.900 contos para a reabilitação do novo espaço da Delegação do Ministério da Educação nessa ilha.

 

Enquadrado no programa de desenvolvimento das infraestruturas do Ensino Básico, o projeto de construção, ampliação e remodelação das infraestruturas educativas, financiado através do fundo de Tesouro, foi assinado pelo edil do Sal, Júlio Lopes e pelo diretor-geral do Planeamento e Orçamento e Gestão do Ministério da Educação, José Marques.

 

De acordo com a ministra da Educação, Cabo Verde tem atualmente uma rede de escolas “bastante degradadas”, principalmente as básicas, razão por que o Governo instituiu este plano de reabilitação e construção de novas salas de aulas em todos os concelhos do país.

 

Conforme explicou a ministra, este plano está “hierarquizado”, ou seja, primeiro os tetos, casas de banho e ampliações, e posteriormente outras questões como embelezamento dos espaços e melhoria de funcionamento.

 

Maritza Rosabal anunciou que as escolas vão passar a ter no orçamento uma verba que servirá para sua reabilitação, manutenção, bem como pequenas obras, cujas responsabilidades serão passadas para as autarquias.

 

Com essas reabilitações que serão iniciadas com a paragem deste ano letivo 2016/17, assegurou que pretendem que não se venha a ter “sufoco” a cada ano letivo, com problemas de tetos e casas de banho.

 

Concernente à ilha do Sal, a ministra avançou que para além da transformação de um complexo escolar em Delegação do Ministério da Educação, a ilha vai receber construções de salas de aulas e que a Escola Olavo Muniz vai ser reabilitada com obras que incluem também a construção de infraestruturas não existentes como cozinha.

 

Santa Cruz (Santiago), Mosteiro (Fogo) são outros concelhos que terão escolas reabilitadas ainda este ano, sendo que para o próximo ano vai ser construída uma escola na ilha da Boa Vista entre o Bairro da Boa Esperança e Sal Rei e também na Cidade da Praia, em Achada Grande Trás.

 

Para o presidente da Câmara Municipal da Sal, Júlio Lopes, este protocolo representa uma “nova fase” de relação entre a autarquia salense e o Governo, designadamente na área da Educação.

 

Na opinião de Júlio Lopes, tendo em conta toda a emigração interna para a ilha do Sal em virtude do turismo e um aumento nos próximos tempos, o Ministério da Educação tem que estar atento para corresponder à demanda das necessidades educativas em termos organizativos e de investimentos em infraestruturas.

 

4 de julho de 2017

 

SAPO c/ Inforpress

Partilhe: Facebook Twitter