título

Maio: Delegada do Ministério da Educação faz balanço “positivo” do ano letivo 2017/18

A delegada do Ministério da Educação (ME) na ilha do Maio, Maria José Ribeiro considera “positivo” o balanço do ano letivo 2017/18, tendo enaltecido o facto de se ter conseguido reduzir a taxa de abandono escolar.

Maria José Ribeiro, que falava em declarações à Inforpress, anunciou que a taxa de abandono escolar no ensino secundário durante o ano lectivo 2017/18 situou-se em cerca de quatro por cento (4%), realçando que houve uma redução de zero ponto percentual em comparação com o ano lectivo anterior que rondou os cerca de 4,7 por cento.

 

Entretanto, a delegada do ME reconhece que no ensino secundário houve uma diminuição na taxa de aprovação, que ficou na cifra dos 71,1 por cento contra os 78,1 do ano transacto, uma redução de 07 por cento, que na sua opinião não deixa de ser “positivo”, tendo em conta os vários constrangimentos registados durante este ano lectivo.

 

“A taxa de reprovação no ensino secundário que este ano rondou os 24.4 por cento, e no ano passado situou-se em 17,4 por cento, resultou num aumento de 07 por cento, o que não deixa de ser muito preocupante, mas estamos cientes de que no próximo ano lectivo teremos de nos preparar minuciosamente para reverter esta situação”, disse.

 

Segundo a delegada, uma das razões desta diminuição na taxa de aprovação deve-se ao facto da transferência dos professores com vários anos a leccionarem na ilha para outras ilhas e outros para continuarem os seus estudos superiores, tendo a registar também alguns casos de baixa médica.

 

Sendo assim, explicou, os professores que vieram em substituição chegaram com um relativo atraso, razão por que vai levar essa preocupação ao ME durante o encontro nacional dos delegados.

 

Referente ao ensino básico, Maria José Ribeiro afiançou que, apesar de alguns “constrangimentos” registados no início do ano lectivo, devido essencialmente à chegada tardia de alguns manuais escolares, o balanço é “positivo”, tendo em conta que registaram uma taxa de aprovação em cerca de 91 por cento.

 

Na entrevista concedida à Inforpress, a delegada do ME fez referência também à questão do fornecimento de refeições quentes que considerou “um caso de sucesso” a nível nacional, tendo abrangido do ensino pré-escolar até o secundário.

 

Segundo disse, devido à situação da seca que se vive no país a Fundação Cabo-verdiana de Acção Social (FICASE) reforçou a refeição quente nas escolas e Maio foi contemplado, pelo que os alunos tinham a refeição quente todos os dias e ainda tinham um pré lanche três vezes por semana, notou.

 

Lembrou, por outro lado, que durante o ano lectivo 2017/18 a Escola Secundária do Maio participou das olimpíadas de matemática, tendo arrebatado as medalhas de bronze na categoria A, que vai do 7º a 8º ano e de prata na categoria B que vai do 9º a 10º ano.

 

A delegada do ME adiantou ainda que a ilha foi contemplada com o programa do Governo para a reabilitação de 07 casas de banho e cozinha, pelo que as obras já iniciaram ao mesmo tempo com a construção de raiz de uma casa de banho na única escola sito em Pilão, que até então não possuía esta componente.

 

Da mesma forma, a escola da localidade de Figueira está em obras de reabilitação com financiamento do Ministério da Educação em parceria com a edilidade do Maio.

 

Entretanto, a delegada admitiu a possibilidade de algumas salas de aulas em alguns povoados venham a ser encerradas, por causa de um número muito reduzido de alunos nestas escolas do ensino básico.

 

Em contrapartida, reconhece que a ilha está bem servida em termos de docentes, visto que no ensino básico têm todos os professores com formação pedagógica e no ensino secundário todos os professores com formação superior, embora nem todos possuem ainda a formação pedagógica, conclui.

 

SAPO c/Inforpress

10.08.2018

Partilhe: Facebook Twitter