título

Patrocinadores dos Kits Escolares esperam em troca que os alunos “respondam positivamente”

Os patrocinadores dos Kits Escolares esperam em troca que os alunos “respondam positivamente” e no final do ano letivo haja “melhores indicadores” no sucesso escolar e assim ficariam satisfeitos.


José Luís Livramento, que falava em nome das empresas que hoje assinaram protocolos com a Fundação Cabo-verdiana de Acção Social Escolar (FICASE), para o financiamento de Kits Escolares, disse que os responsáveis da Educação do país podem continuar a contar com a colaboração dos parceiros.

 

Para o presidente do conselho de administração da CV-Telecom, os equilíbrios sociais são “fundamentais numa sociedade”, uma vez que traz a paz para a economia e no geral.

 

No dizer do porta-voz dos parceiros da FICASE, tem que se apostar na educação se se quer equilíbrio social e que o acesso escolar, segundo ele, é “fundamental para a inclusão” dos que têm dificuldades em aceder aos sucessos no sector da educação.

 

“Cabo Verde neste capítulo tem conhecido grandes dinâmicas. Hoje, temos quadros vindos de todos os cantos do país, a começar pelas zonas rurais”, indicou José Luís Livramento, referindo-se ao papel da FICASE na promoção da inclusão social.

 

Disse, ainda, que os responsáveis das empresas que, juntamente com a FICASE estão a contribuir para a felicidade dos mais carenciados, se sentem “orgulhosos e honrados”.

 

“Estamos a contribuir, juntamente com os nossos negócios, para que haja inclusão social para um futuro de paz social para Cabo Verde”, realçou o PCA da CV-Telecom.

 

Por sua vez, o presidente da FICASE destacou a missão da instituição que dirige que, de acordo com as suas palavras, é a de “promover a igualdade de oportunidade no acesso à educação”, desenvolvendo um conjunto de acções que garanta o sucesso e a qualidade do processo do ensino e aprendizagem.

 

Albertino Fernandes lembrou que o Programa Kits Escolares foi criado no ano de 2003/2004 e, desde então a esta parte, a FICASE já distribuiu mais de 300 mil kits aos alunos do primeiro ao sexto ano de escolaridade, provenientes de famílias economicamente desfavorecidas.

 

“Temos o objectivo comum que é a felicidade das crianças e das famílias, principalmente as que têm menos condições económicas”, apontou o responsável da FICASE, numa referência aos parceiros.

 

No ano passado, revelou Albertino Fernandes, a FICASE distribuiu cerca de 15 mil kits e para o presente ano lectivo, que se inicia na próxima segunda-feira, 17, a meta é de 20 mil, alargando o programa aos alunos do sétimo e oitavo ano, que equivale ao ensino básio obrigatório.

 

A directora nacional da Educação, Sofia Figueiredo, anunciou que a partir deste ano os kits escolares comportam também a distribuição de batas, necessidade verificada durante as visitas de terreno.

 

Dirigindo-se em particular aos financiadores dos Kits Escolares, Sofia Figueiredo afirmou que a colaboração destas instituições vai ter impacto na vida dos beneficiários, assim como no seu sucesso escolar.

 

“Temos constatado no terreno que o programa de alimentação escolar tem um papel extremamente importante para as crianças e suas famílias, uma vez que estas vêm de localidades muito distantes”, pontuou a directora nacional da Educação, concluindo que as acções da FICASE têm contribuído para o aumento do sucesso escolar a nível nacional.

SAPO c/Inforpress

14.09.2018

Partilhe: Facebook Twitter