título

PM confirma ensino da Moral e Religião nas escolas públicas a partir do próximo ano

A partir do próximo ano lectivo será introduzida a disciplina da Moral e Religião nas escolas públicas, com carácter facultativo.

Segundo Ulisses Correia e Silva, o ensino da referida disciplina nas escolas públicas resulta do acordo de Concordata assinado em 2013 entre o Estado de Cabo Verde e o Vaticano.

 

“Estamos há algum tempo a trabalhar com a Igreja Católica para a sua implementação em que o Governo disponibiliza professores e as escolas já estão identificadas”, precisou o primeiro-ministro, ao seu abordado sobre o assunto durante a entrevista colectiva para o balanço dos três anos de governação do país.

 

O chefe do Governo fez questão de sublinhar que aquela disciplina é “facultativa” e que “não pode substituir as disciplinas que existem”.

 

“Há uma lei do parlamento que permite que outras religiões também possam, dentro do quadro das regras e critérios estabelecidos, leccionar formação nessa área de Moral e Religião”, indicou o primeiro-ministro.

 

No concernente ao acordo para a criação da Zona de Livre Comércio em África, de que Cabo Verde é subscritor, mas ainda não o ratificou, explicou que o processo está em curso, em concertação com os demais países da Comunidade Económica para o Desenvolvimentos dos Estados da África Ocidental (CEDEAO).

 

Segundo o primeiro-ministro, está a ser feita uma concertação de posicionamento a nível da CEDEAO, para depois o mesmo ser apresentada à União Africana.

 

O acordo que cria a Zona de Livre Comércio Continental (Zlecaf), que prevê a constituição de um mercado comum em África, será formalmente adoptado na Cimeira da União Africana (UA), prevista para Julho deste ano, em Niamey (Níger).

 

Cabo Verde foi um dos signatários do acordo, em Março de 2018.

 

Segundo a directora do Serviço de Comércio, Ludmilde Fernandes, o país está neste momento a trabalhar a parte técnica do acordo, com estudo de avaliação de impacto, tendo em vista a sua ratificação.

 

SAPO/Inforpress

Partilhe: Facebook Twitter