título

Projeto “Reforço da capacidade de adaptação e resiliência no setor florestal em Cabo Verde” chega à comunidade educativa da Boa Vista

Os alunos da escola primária do Rabil-polo nº 2, na ilha da Boa Vista, vão receber actividades de sensibilização da comunidade educativa para o Projeto “Reforço da capacidade de adaptação e resiliência no setor florestal em Cabo Verde”.

De acordo com uma nota enviada à Inforpresss, o projecto tem como um dos grupos alvos a comunidade educativa (alunos e professores), a quem se pretende transmitir conhecimentos sobre a mudança de comportamentos em relação às alterações climáticas, preservação e gestão da floresta.

 

A mesma nota realça que essa campanha contempla, numa primeira fase, uma apresentação sobre a floresta, as espécies e sua importância em Cabo Verde, e o lançamento da construção de “Florestas Pedagógicas” vivas no espaço das escolas.

 

Posteriormente, ao longo da vigência do projecto, proceder-se-á à plantação de nove espécies, seguindo um roteiro lógico para transmitir aos alunos noções sobre as características, a importância, a função e a utilidade de cada uma dessas espécies no contexto mais global da floresta de Cabo Verde, adianta o documento.

 

A mesma fonte explica que o projecto está a ser implementado em Santiago, Fogo e Boa Vista, sendo a área prevista de intervenção/florestação de mais de 1000 (mil) hectares nas 3 ilhas.

 

Daí a realização da campanha de sensibilização da comunidade educativa nas escolas do Ensino Básico e do Secundário, com especial incidência nas localidades abrangidas pelos trabalhos no terreno nas referidas Ilhas.

 

Depois das primeiras iniciativas em escolas do EBI de Santiago, a próxima atividade acontece amanhã,10, na escola do Rabil – polo nº 2 e será orientada pelo gestor do projecto, José Ferreira de Castro.

 

Salienta-se que o projeto “Reforço da capacidade de adaptação e resiliência no setor florestal em Cabo Verde”, denominado “REFLOR-CV, ” está a ser executado pelo Governo de Cabo Verde e a FAO e é financiado pela União Europeia.

 

Os principais objetivos deste projeto são aumentar a resiliência e a capacidade de adaptação às alterações climáticas das comunidades rurais, promover a gestão participativa da floresta contra a desertificação, contribuir em 10% para o compromisso nacional de florestação e preservar a biodiversidade, diminuindo a perda de habitat e incentivando a regeneração natural dos ecossistemas terrestres.

SAPO c/Inforpress

10.10.2018

Partilhe: Facebook Twitter