título

Residência Madre Teresa de Calcutá tem contribuído fortemente para a formação de recursos humanos

A diretora da Residência Estudantil Madre Teresa de Calcutá afirmou ontem que a instituição tem contribuído “fortemente” na formação de recursos humanos e desempenhado um “papel importante” na construção de um país cada vez mais inclusivo.

Em jeito de balanço dos 20 anos de existência da Residência Estudantil Madre Teresa de Calcutá, Arminda Mota, em declarações à Inforpress, faz um balanço positivo da instituição, sublinhando que atualmente existem na sociedade cabo-verdiana pessoas bem posicionadas que foram residentes.

 

Segundo a diretora, não obstante os ganhos alcançados ao longo dos anos, a Residência Madre Teresa de Calcutá até o momento não conseguiu resolver os problemas financeiros, tendo neste sentido apelado a uma “atenção especial” da sociedade civil no que concerne à mobilização de recursos.

 

“As maiores dificuldades que temos enfrentados nesses 20 anos têm a ver com a sustentabilidade financeira da instituição. Nos 100% que devíamos ter para gerir a casa, recebemos 27% dos padrinhos e pais que pagam mensalidades, 38% são do cofre do Estado e 35% é um défice orçamental que temos. Queremos uma sociedade mais próxima e sensibilizada da residência porque pedimos apoio, mas praticamente não temos o retorno dos parceiros”, frisou.

 

Entretanto, disse que para tentar cobrir esse défice orçamental, a residência tem sido utilizada durante o período de férias, como espaço que recebe caravanas de jogadores, ou de grupos de pessoas que ficam instalados na residência, tendo adiantado que este ano teve uma diminuição nas receitas devido a pouca procura.

 

No entanto, disse que para este ano letivo, estima-se um aumento de número de internos relativamente ao ano transato que, sublinhou, ficou afetado pela seca e mau ano agrícola.

 

“Muitos residentes que foram de férias não puderam regressar porque as famílias alegaram falta de condições financeiras para dar continuidade da permanência dos internos, e as câmaras municipais só mostraram disponibilidade em pagar mensalidades dos alunos do secundário”, revelou.

 

O lar estudantil, que inicialmente foi criado para acolher estudantes do secundário, dispõe de 84 vagas que, conforme avançou, são preenchidas por alunos do secundário e universitários de quase todas as ilhas do país.

 

Com uma mensalidade que varia entre 9 a 12 mil escudos, a instituição, de acordo com Arminda Mota, tem um plano de actividades anual, isto para, conforme referiu, proporcionar aos internos momentos de lazer e de novas aprendizagens durante a sua permanência.

 

“Durante o ano, realizamos feiras de saúde, aulas de culinárias, campanhas de limpezas, visitas de estudos, várias actividades culturais porque queremos construir uma sociedade cada vez melhor”, realçou, adiantando que a residência tem cerca de 20 funcionários que garantem o bom funcionamento da instituição.

 

Inaugurado em 2012, o Gabinete médico, que foi criado nas instalações da Residência Madre Teresa de Calcutá para dar consultas não só os estudantes que frequentam esta instituição, mas também a comunidade circundante, de acordo com esta responsável, não tem funcionado a 100%.

 

“A residência dispõe de um Gabinete Médico que não tem funcionado a 100%, temos solicitados apoios de médicos e enfermeiros que não tem sido permanente, isto porque temos um centro de saúde próximo da residência, onde os nossos internos poderão têm prioridade no atendimento”, esclareceu.

 

Arminda Mota apelou, por outro lado, a uma maior proximidade dos pais e encarregados de educação dos residentes, fazendo um acompanhamento dos filhos, isto no seu entender, para garantir o sucesso escolar e residencial dos alunos.

 

“Pedimos aos pais e encarregados de educação que se interessem mais pelo desempenho dos filhos, isto porque, apesar da residência ter um regulamento que garante o bom funcionamento da instituição e bons comportamentos dos internos, isso não preenche o papel que cabe aos pais que têm estado muito ausentes”, concluiu.

 

Inforpress

10.08.2018

Partilhe: Facebook Twitter