título

São Vicente: Sindep classifica de estável a situação laboral mas pede aos professores para “manterem o foco

A afirmação é do secretário executivo regional do Sindicato Nacional dos Professores (Sindep), Nelson Cabral.

O secretário executivo regional do Sindicato Nacional dos Professores (Sindep), Nelson Cabral, considerou hoje, 19, no Mindelo, que a situação laboral em São Vicente “é estável” apesar de “ruídos” tendentes a desviar o foco dos professores.

O responsável, que falava no ato de assinatura de um protocolo de parceria com a clínica médica privada Urgimed, disse que há instituições apostadas em “dividir a classe” dos professores, o que condena, pois para essa instituição, que preferiu não nomear, até há bem pouco tempo o Sindep era “o melhor sindicado”.

“Agora por não estar filiada nessa mesma instituição diz-se que já não tem importância”, reforçou, numa alusão à UNTC-CS, central sindical da qual o Sindep desvinculou-se há alguns meses.

Nelson Cabral condenou ainda aquilo que designou de “ações tendentes a atingir o Sindep” o que demonstra, ajuntou, que “esses dirigentes” não estão preocupados com os professores, o que é “flagrante”.

“Queremos apelar aos professores para não se desviarem do foco, pois a classe docente, hoje, não precisa de mais instituições, precisa é de mais coesão e união”, lançou o responsável, concretizando que o Sindep nasceu “com os professores, pelos professores e para os professores” e “não é instituição criada por outrem”.

Sobre o protocolo de parceria rubricado com a clínica médica privada Urgimed, Nelson Cabral referiu que se trata de uma “mais-valia” para a classe docente filiada no seu sindicado, pois o mesmo “essencialmente” vai incidir na redução de custos para tratamentos médicos, assistência e exames de diagnóstico.

No âmbito do protocolo, acrescentou, os sócios do Sindep passam a ter tratamentos gratuitos e outros com descontos que vão dos 40 a 50 por cento (%), abrangendo não só o trabalhador-sócio do Sindep como também o agregado familiar e os seus dependentes”.

 

SAPO c\ Inforpress

19.05.2017

Partilhe: Facebook Twitter