título

Sindicato de professores promete “ações de mobilização” no arranque do próximo ano letivo

O primeiro vice-presidente do Sindicato Nacional dos Professores (Sindep), Jorge Mendes, prometeu hoje “ações de mobilização” no arranque do próximo ano letivo, caso o Governo não resolver “algumas pendências” da classe.

“Se as coisas continuarem neste ritmo, sem a resolução das chamadas pendências, logo no início do ano letivo 2018/2019 vamos avançar com ações de mobilização para lutas”, disse Jorge Mendes em declarações à Inforpress.

 

O dirigente sindical especificou exigências como o subsídio pela não redução de carga horária, pagamento de horas extraordinárias a professores do ensino básico e regulamentação do concurso para o desenvolvimento na careira docente.

 

Quanto as acções de mobilização, Jorge Mendes fala em manifestação e greve. “Iremos até as últimas consequências, tudo aquilo que estiver ao nosso alcance”, reforçou.

 

Jorge Mendes disse ainda que o Sindep está à disposição de apoiar “todas as formas de luta” que os professores entenderem necessárias para a “resolução cabal” dos seus problemas.

 

Mas antes disso, afirmou que haverá tentativas de entrar em contacto com responsáveis do ministério, nomeadamente a ministra da Educação e o diretor-geral da Educação.

 

“Vamos tentar obter informações e, caso não resultar, avançaremos com acções de luta para a restituição da dignidade da classe”, finalizou Jorge Mendes, dando conta que estas directivas saíram do encontro do Conselho Geral da Sindep, realizado neste final de semana, na Cidade da Praia.

@SAPO c/inforpress

09.07.2017

Partilhe: Facebook Twitter