título

Uni-Mindelo principia celebrações do 15º aniversário com foco na regionalização

Este ano, a universidade celebra 15 anos.

O reitor da Universidade do Mindelo (Uni-Mindelo), Albertino Graça, considerou hoje, no Mindelo, que, na linha dos “grandes desafios do país”, a instituição volta a trazer o tema da regionalização para discussão, já que ele “ganhou nova dimensão”.

 

Uni-Mindelo celebra no dia 10 de dezembro 15 anos de existência e, por esta ocasião, as celebrações principiaram hoje com um ciclo de conferências internacionais em que a proposta é trazer para debate “novos atores/pareceres e modelos” sobre a regionalização.

 

“Queremos colher experiências diferentes da portuguesa, que já conhecemos relativamente bem, da França, por exemplo”, ajuntou a mesma fonte, anunciando “algo de diferente” para esses dias de debate, que é o conhecimento de uma “espécie de estado de arte” da regionalização em Cabo Verde.

 

Para Albertino Graça, já é um “dado assente” que Cabo Verde irá ter a regionalização e que agora se está apenas a discutir as formas e a calendarização das suas várias etapas.

 

“O MpD ganhou as eleições da forma como o ganhou porque disse que ia avançar com a regionalização, e, por isso, o povo ao votar MpD concordou com a regionalização, pelo que não há necessidade nenhuma de fazer referendo”, pontuou Albertino Graça, que considera, no entanto, que o processo encontra-se atrasado.

 

Do programa das celebrações dos 15 anos de existência da Uni-Mindelo, o ponto alto está reservado para o dia 10 de dezembro em que uma personalidade, cujo nome não avançou, será distinguida com o grau honorífico de Doutro Honoris Causa, aumentando para quatro o número de distinguidos pela Uni-Mindelo, depois de Adriano Moreira, António Mascarenhas Monteiro e Onésimo Silveira.

 

No âmbito das celebrações, a Uni-Mindelo, di-lo o reitor, irá dar uma “forte contribuição” para “Morna – Património Mundial” e ligar a universidade a esse objetivo que Cabo Verde tem neste momento.

 

“Queremos organizar aqui em São Vicente um palco de debate sobre a morna e todas as possibilidades que temos para ajudar a fazer esse percurso, trazendo especialistas que trabalharam na questão do fado, já temos mais ou menos agendados algumas palestras e conferências”, sintetizou Albertino Graça.

 

SAPO c/ Inforpress

 

3 de julho de 2017

 

 

Partilhe: Facebook Twitter